O Cristo da Irmandade Universitária de Córdoba

 

O CRISTO DA IRMANDADE

UNIVERSITÁRIA DE CÓRBOBA

 

 

O Cristo Da Irmandade Universitária de Córdoba foi construído por um escultor de Sevilha e catedrático da Universidade de Sevilha, Juan Manuel Miñarro.

A imagem é o resultado do estudo do grupo multidisciplinar de cientistas do Sudário. É o único Cristo sindônico do mundo e reflete minimamente detalhes dos politraumatismos do cadáver exibido nas comemorações da Semana Santa de Turim (Itália).

Ela representa um corpo de 1.80 de altura, de acordo com os estudos da Síndome das universidades de Bolonha e Pavía (região da Lombardia) . Os braços e a cruz formam um ângulo de 65º.  Nele se reproduzem com total exatidão as feridas do HOMEM da Semana Santa.

Na cabeça, a coroa que cobre todo o crânio está cheia de espinhos da jujubeira, (“ziziphus jujuba”), uma espécie de espinho que não se dobra.

  

A pele apresenta o aspecto exato de uma pessoa morta há quase uma hora. O ventre, com a crucificação, está inchado. O braço direito deslocado, por apoiar-se o crucificado nele durante o processo de asfixia, em busca de ar.  O dedo polegar das mãos está para dentro da palma, como reação de um nervo quando um objeto atravessa o punho . 

Existem dois tipos de sangue ali: antes da morte e após a morte. Também aparece o plasma da ferida do lado direito. Foi tudo supervisionado por hematologistas. A pele dos joelhos está esfolada por causa dos tombos e pela tortura. Existem grãos de terra grudados na carne, trazido desde Jerusalém.

As feridas refletem as marcas que deixam os chicotes romanos, com bolas de metal presas às pontas, para rasgar a carne. Os carrascos não chicoteavam as zonas vitais do réu, de modo a garantir que ele não morresse durante a tortura.

 

O lado direito da maçã do rosto está inchado e machucado, após a ruptura do dia.  A coroa de espinhos pertence à mesma espécie vegetal palestina, segundo os botânicos. A língua e os dedos dos pés apresentam um tom azulado, próprio provocado pela crescente queda do batimento cardíaco.

         

Logo abaixo, as frase escritas em Hebraico, e as traduções em Grego e Latim estão escritas de da direita para a esquerda, erro habitual daquela época, na região. Elas possuem erros propositais de ortografia.    

 

                          

  PRODUÇÃO TEXTUAL             PRODUÇÃO FOTOGRÁFICA

            Diarios, ABC e El Córdoba                                                      José Luis Rojas

 

 

TRADUÇÃO E MONTAGEM PARA O SITE

Walmir Damiani Corrêa

 

A Hermandad Universitaria de Córdoba é uma instituição pertencente à Igreja Católica Apostólica Romana.

 

 

Por: AUTOR DESCONHECIDO

Publicado em 01/09/2014

Procedência - Diarios, ABC e El Córboba

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2019